Nesta segunda-feira (31), filme Pantera Negra tem primeira exibição na TV aberta do Brasil

Obra é protagonizada pelo ator americano Chadwick Boseman, que faleceu aos 43 anos, vítima de câncer no cólon

A última sexta-feira (28) ficou marcada por uma grande perda para o mundo. O ator americano Chadwick Boseman faleceu, aos 43 anos, vítima de câncer no cólon, doença com a qual lutava há quatro anos. E, para homenagear o protagonista da Marvel, o filme Pantera Negra (2018) será exibido pela primeira vez na TV aberta nesta segunda-feira (31), no ‘Tela Quente’, da Rede Globo. O longa, que tem o primeiro super-herói negro da Marvel, recebeu seis indicações ao Oscar 2019 e levou três estatuetas: trilha sonora original, figurino e direção de arte.

Leia também: Ilustrador Draco doará posters para favelas em homenagem ao Pantera Negra

A história de ‘Pantera Negra’ é baseada no personagem de mesmo nome da Marvel Comics. Na trama, após a morte do rei T’Chaka (John Kani), o príncipe T’Challa (Chadwick Boseman) retorna a Wakanda para a cerimônia de coroação. Nela são reunidas as cinco tribos que compõem o reino, sendo que uma delas, os Jabari, não apoia o atual governo. T’Challa logo recebe o apoio de Okoye (Danai Gurira), a chefe da guarda de Wakanda, da irmã Shuri (Letitia Wright), que coordena a área tecnológica do reino, e também de Nakia (Lupita Nyong’o), a grande paixão do atual Pantera Negra, que não quer se tornar rainha. Juntos, eles estão à procura de Ulysses Klaue (Andy Serkis), que roubou de Wakanda um punhado de vibranium, anos antes.

Teste 2

Além da exibição do filme estrelado por Boseman, o apresentador Manoel Soares, que compõe o time do ‘É de Casa’, falará sobre a importância histórica de um filme de super-herói ter sido protagonizado por um ator negro. A sessão de filmes ‘Tela Quente’ é exibida após a reprise da novela ‘Fina Estampa’.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]