CUFA dará chips de telefone e instalação de pontos de wi-fi na favela da Rocinha

Mães da Favela ON é o maior projeto de conectividade em favelas no Brasil e vai conectar à internet 2 milhões de moradores
Mães da Favela ON vai conectar à internet 2 milhões de pessoas nas favelas do Brasil e será lançado nesta quinta-feira, dia 24. Créditos: CUFA

Com o desafio de democratizar o acesso à internet e dar ferramentas para que comunidades também retomem suas atividades, superando o isolamento digital, a Central Única das Favelas (CUFA), a Comunidade Door e o Alô Social lançam no dia 25 de setembro o Mães da Favela On, o maior projeto de conectividade em favelas já feito no Brasil. O objetivo é conectar 2 milhões de moradores de favelas até julho de 2021. Os pontos de wifi começam a ser instalados no mesmo dia na Rocinha, na zona Sul do Rio.

O projeto Mães da Favela On, que tem foco no acesso aos conteúdos voltados à educação e ao empreendedorismo, vai disponibilizar conexão aberta à internet em diversos pontos de favelas nos 26 estados do país e no Distrito Federal. Serão distribuídos 20 pontos de internet livre em 150 grandes favelas e chips da empresa Alô Social, em parceria com a TIM, para as 500 mil mães previamente cadastradas nas bases da CUFA em quase 5 mil favelas.

A instalação dos pontos de wifi livre ficará a cargo da Comunidade Door. Já a coordenação de curadoria do projeto é da Unesco, para selecionar conteúdos de educação e empreendedorismo na plataforma que também facilitem a democratização do acesso à internet.

Mães da Favela On é o maior projeto de conectividade em favelas no Brasil/Imagem Cufa

Teste 2

Celso Athayde, fundador da CUFA e idealizador do Mães da Favela On, explica como nasceu a iniciativa. Foi a partir do relato de mães atendidas pela CUFA que, além das dificuldades corriqueiras e as impostas pela crise, veem seus filhos sem a opção de se adequarem ao ensino remoto com a suspensão das aulas por não terem os equipamentos necessários ou a internet disponível para o ensino à distância. “É claro que eu penso muito na educação das crianças, mas quem conhece esta realidade de perto sabe que, muitas vezes, enquanto a mãe do asfalto está preocupada com o reinício das aulas, as mães da favela estão tentando salvar a vida dos filhos naquele dia. Manter as famílias conectadas é uma necessidade de sobrevivência”, ressalta Celso.

Para Renato Meirelles, diretor do Data Favela/Locomotiva, o projeto Mães da Favela On colabora com a garantia do direito à educação nas favelas, que não está sendo cumprido por falta de acesso à internet. “Hoje, mais da metade dos estudantes que vivem em favelas afirma não estar assistindo aulas à distância neste período e as principais justificativas são a falta de aparelhos adequados e velocidade de conexão insuficiente”.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]