Moradores convivem com o lixo e o risco de desabamento das encostas

S.O.S Palmeiras

Criada nas Palmeiras desde os 5 anos, a merendeira Isabela Nascimento, hoje com 33 anos, viu de perto toda a mudança da região, principalmente depois das obras do PAC e da chegada do teleférico. O que ela não esperava era que mesmo com tantas obras e promessas, ela teria que continuar convivendo com problemas antigos, como falta de saneamento e de manutenção das encostas, além das intensas jornadas sem água nas torneiras.

“Quando chove a situação é pior, porque todo o lixo das encostas desce para nossa casa. Eu tenho que varrer todo dia, senão fica tudo sujo de terra e de lama. Todos os vizinhos vivem dessa maneira. Até a virada de ano foi sem água para muitos”.

A vizinha de Isabela, Carol, de 23 anos, teme o risco de doenças e de proliferação de insetos e ratos. “Tenho filha pequena, tenho medo de pegar uma infecção ou uma doença”. A moradora utiliza tábuas e improvisa uma passagem para evitar o contato direto com a sujeira que desce das encostas.

Teste 2

Em seguida, encontramos o Seu Valdecir, conhecido por ter um bar na região. O comerciante, de 48 anos, trabalhava numa obra no quintal de sua casa e relatou: “Já perdi as contas de quanto gastei em obras de contenção”. A situação de Valdecir é ainda mais grave porque sua casa é uma de muitas que podem desabar a qualquer momento. O risco de deslizamento da encosta atrás da casa é constante. Ele mostra, então, o auto de interdição da casa.  “Vieram na época das obras do PAC e depois nunca mais. Não temos para onde ir, então continuamos ficando”, completa.

Ana Maria Freire mostra o auto de interdição da casa em que vive - Foto: Renato Moura/Jornal Voz Das Comunidades
Ana Maria Freire mostra o auto de interdição da casa em que vive – Foto: Renato Moura/Jornal Voz Das Comunidades

Na Associação dos Moradores das Palmeiras, fomos recebidos pelo filho do próprio presidente Marquinhos. Leonardo Alves, de 29 anos, afirmou que o abastecimento de água da região é comprometido, pois é resultado de manobras feitas pelos moradores. Sobre as encostas, confirmou que por enquanto não existe nenhuma medida programada para solucionar o problema. “Os moradores sabem que não podem ficar, mas também não têm para onde ir”.

Sem qualquer auxílio da Associação, os moradores continuam vivendo em situação desesperadora. Após a virada de ano sem água, alguns se reuniram e resolveram paliativamente o problema, após semanas sem o fornecimento adequado. E Seu Valdecir continua na mesma: vivendo sob o risco de desabamento.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]