Gastronomia é a arte da transformação – A pensão da Jane

Foto: Renato Moura
Foto: Renato Moura

Jane da Silva, quarenta e sete anos, desses, quarenta como moradora do Complexo do Alemão. Começou a vender refeições há três anos como uma necessidade, mas hoje admite que é gratificante.

Ela conta que aprendeu a cozinhar com uma vizinha. Rabada, feijoada, língua – “que parecia uma carne assada de tão boa”. E parece que valeu a pena tanta dedicação, os clientes não tem o que reclamar: “todo mundo gosta da minha comida, fala que meu tempero é muito bom”.

Foto: Renato Moura
Foto: Renato Moura

Durante muito tempo Jane só cozinhou dentro de casa mesmo, mas para angariar recursos para a sua igreja, ela se propôs a fazer e vender caldos. Foi um sucesso, a igreja foi transferida para um local próprio e os caldos da Jane ficaram famosos. Para ela, o segredo é o tempero.

Teste 2

Dos caldos na igreja passou a vende comida. Arroz, feijão, farofa (que é o que ela mais gosta). Todo dia são três ou quatro tipos de comida. Mas os caldos continuam, seja quando acontece chás de bebe ou aniversário, “todo mundo gosta”.

Foto: Renato Moura
Foto: Renato Moura

No Circuito Gastronômico de Favelas do próximo dia 18, domingo das 12h às 20h na Rua Engenheiro Manoel Segurado, Jane vai levar alguns tipos de caldos. A dificuldade que ela encontrou foi escolher os sabores para o evento – tem o de abobora com carne seca, o de aipim e frango, o caldo verde, mocotó. A certeza que ela tem é que o caldo dela é o melhor! Isso porque ela faz com todo carinho e amor, além do tempero, claro.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]