Abandonado há mais de 10 anos, Parque Ary Barroso na Penha ainda não tem previsão de revitalização

Moradores e lideranças locais seguem lutando para reconquistar o espaço; processo ainda depende dos orgãos públicos
Foto: Arquivo pessoal
Foto: Arquivo pessoal

Há um ano, a equipe do Voz das Comunidades foi até o Parque Ary Barroso, no Complexo da Penha, e encontrou uma região abandonada pelo poder público. Tomado pelo mato alto e pela falta de infraestrutura, o parque está abandonado há pelo menos 10 anos. Moradores e lideranças locais já tentavam uma forma de restaurar o espaço. Mas, ao que parece, esse tempo vai ser mais longo.

(Foto: Reprodução)

Em 2021, a Fundação Parques e Jardins, setor da Prefeitura do Rio de Janeiro, relatou que estava ciente da situação do local e que estava trabalhando para a recuperação da área. No dia 13 de janeiro daquele ano, foi realizada uma vistoria no local com a Comlurb e subprefeitura da Zona Norte para avaliar as condições do local. O Instituto Estadual de Patrimônio Cultural (Inepac) tinha confirmado que eram necessárias melhorias no parque Ary Barroso, mas disse que a decisão final cabia ao Ministério Público.

Prestes a completar mais um ano sem reparos, verificamos com os órgãos responsáveis como está o processo de uma possível revitalização do espaço. A Fundação Parques e Jardins respondeu que o parque não passava por nenhuma obra de reestruturação atualmente. Já a 4ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Meio Ambiente, do Ministério Público, informou que realiza uma investigação sobre uma ocupação indevida por uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) e uma UPP (Unidade de Polícia Pacificadora). 

Teste 2

De acordo com a nota do Ministério Público referente à UPP, conforme informações prestadas pela Polícia Militar, “a retirada da unidade do local poderia aumentar a criminalidade na região, tendo em vista que não haveria imóvel disponível para sua realocação na mesma área, podendo causar prejuízo à comunidade maior que sua permanência no Parque. Essa informação, conforme a nota do MP, ainda está sendo verificada pela Promotoria.

Já em relação à UPA, o Ministério Público informou que “a retirada e reinstalação ainda está pendente, embora tenha sido indicado um possível novo local. Mas, ainda é necessária a realização de perícia para que se verifique a sua viabilidade, sendo aguardada resposta da SES (Secretaria Estadual de Saúde) a respeito.”

A nota encerra relatando que, sobre a revitalização dos jardins, o processo ainda depende de respostas dos órgãos públicos competentes e da conclusão de processo administrativo.

A Subprefeitura da Zona Norte, Comlurb e Inepac não responderam o nosso contato até o fechamento desta matéria.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]