Prefeitura do Rio lança projeto Casa Carioca no Morro da Providência

Parte integrante do programa Favela com Dignidade, o projeto, lançado na quinta-feira (28), pretende beneficiar 300 moradias na primeira favela do Brasil
O Morro da Providência terá 300 moradias beneficiadas com o programa Casa Carioca - Marcos de Paula / Prefeitura do Rio
O Morro da Providência terá 300 moradias beneficiadas com o programa Casa Carioca - Marcos de Paula / Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio, através da Secretaria Municipal de Ação Comunitária, lançou o projeto Casa Carioca, no Morro da Providência, Zona Central da cidade, na quinta-feira (28). O projeto é parte integrante do programa Favela com Dignidade, que reúne secretarias e órgãos municipais para levar serviços públicos essenciais aos moradores de favelas. Com o objetivo de melhorar as moradias que atualmente oferecem riscos à saúde e à mobilidade, o Casa Carioca pretende beneficiar 300 moradias na primeira favela do Brasil.

De acordo com a secretaria, nesta fase inicial do projeto vão receber melhorias três mil casas em cinco complexos: Penha, Alemão, Maré, Vila Kennedy e Jacarezinho, além do Morro da Providência. A Prefeitura vai investir cerca de R$ 63 milhões este ano. Ainda de acordo com a secretaria, até 2024, serão contempladas 21.285 habitações em favelas e comunidades.

“Temos que tratar as pessoas com dignidade. Precisamos dar as condições básicas para que possam viver em um ambiente com o mínimo de asseio, com o banheiro separado da cozinha e do quarto. Esse programa faz um levantamento das famílias que mais necessitam e, a partir daí, fazemos as obras de melhorias nas casas delas”, afirmou o prefeito Eduardo Paes.

Teste 2

Na Providência, o projeto quer requalificar 120 habitações até o final deste ano e mais 180 até 2024. Abertura de janelas para maior circulação de ar, instalações sanitárias, troca de telhados e adaptações para acessibilidade são alguns exemplos de melhorias que vão impactar diretamente na qualidade de vida das pessoas portadoras ou não de deficiência que moram em comunidades.

“O Casa Carioca veio para melhorar a qualidade de vida das pessoas que moram em comunidades e favelas. É desumano verificar algumas casas sem porta, janela ou mesmo um vaso sanitário adequado. Esse projeto vai devolver a dignidade a essas famílias, requalificando as suas moradias”, disse a secretária de Ação Comunitária, Marli Peçanha.

Secretária de Ação Comunitária
Foto: Edvaldo Reis

As primeiras 120 famílias da Providência foram visitadas por assistentes sociais e suas residências vistoriadas por arquitetos, técnicos em edificações e engenheiros contratados pela Secretaria de Ação Comunitária. Os critérios de elegibilidade são: famílias com renda mensal de até três salários-mínimos e cadastradas no CadÚnico; residentes no município há pelo menos três anos; e que possuam um único imóvel. Já as prioridades são: famílias com mulheres como chefes; com idosos; com pessoas com deficiência; com portadores de doenças graves; e com maior número de dependentes.

Uma das moradoras beneficiadas com o programa, Luana de Souza Vilarinho, de 32 anos, vive no Morro da Providência desde que nasceu. Desempregada, ela conta que sua casa está em condições precárias, tendo ainda que dividir os dois pequenos cômodos com os quatro filhos. “Esse programa vai ser muito importante para mim e meus filhos. Quem esteve na minha casa viu que o teto está quase caindo e que não temos condições dignas de moradia. Temos que usar um banheiro comunitário e a cozinha fica na área externa”, conta.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]