Ex-morador da Cidade de Deus é morto em Portugal e família faz vakinha para trazer seu corpo de volta ao Brasil

Jeferson Terra Pinto tinha 31 anos e foi espancado até a morte por um homem no Parque das Nações, em Lisboa
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Um brasileiro, nascido e criado na Cidade de Deus, Zona Oeste do Rio, foi morto durante uma briga na madrugada de domingo (24), no Parque das Nações, em Lisboa, capital de Portugal. Jeferson Terra Pinto, de 31 anos, morreu após um homem chutar sua cabeça diversas vezes.

Agora, o desafio da família é conseguir levantar o dinheiro para o translado, ou seja, trazer o corpo de Jeferson de volta ao Brasil, para que possam enterrá-lo. O serviço custa 4500 euros, equivalente a quase R$ 25 mil na cotação desta terça (26). Ele deixa esposa e um filho de 1 ano e 5 meses, que também estão enfrentando dificuldades financeiras para voltar.

Foto: Acervo Pessoal
Jeferson com sua esposa e filho
Foto: Acervo Pessoal

Jeferson havia se mudado para Portugal em outubro do ano passado, com o objetivo de melhorar de vida, conta a irmã Geane Terra, de 45 anos. Em fevereiro, a esposa e o filho da vítima conseguiram ir também; ambos trabalhavam e já estavam com os documentos legalizados, de acordo com Geane.

Teste 2

Geane contou também ao Voz que tentou solicitar a ajuda do Consulado-Geral do Rio de Janeiro. “Eu liguei para o consulado hoje cedo e eles me informaram que eu não consigo, só pagando mesmo para fazer o translado. Mas, a gente não tem esse dinheiro. Então, fizemos uma vakinha online, até porque o funcionário me disse que nem se minha cunhada fosse no consulado de lá conseguiria”, desabafou.

Contato com o órgão responsável

A equipe do Voz das Comunidades entreou em contato com o Ministério das Relações Exteriores, o qual, em nota, escreveu que, por meio do Consulado-Geral do Brasil em Lisboa, permanece à disposição para prestar a assistência cabível aos familiares do nacional brasileiro, em conformidade com os tratados internacionais vigentes e com a legislação local. Além disso, informou o seguinte: “Em caso de falecimento de cidadão brasileiro no exterior, os consulados brasileiros poderão prestar orientações gerais aos familiares, apoiar seus contatos com autoridades locais e cuidar da expedição de documentos, como o atestado consular de óbito. O traslado de restos mortais de brasileiros falecidos no exterior é decisão da família. Não há previsão regulamentar e orçamentária para o pagamento do traslado com recursos públicos.”

Como ajudar

Família e amigos estão mobilizando uma “vakinha online” a fim de levantar o dinheiro necessário para custear todos os trâmites e burocracias. Quem puder, poderá doar através do link: https://www.vakinha.com.br/3002302

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]